A Cidade

– A Cidade –

Vamos combinar…bem melhor do que conhecer um lugar pelo texto é inserir-se em seus contextos. Talvez, por isso, torna-se limitado o nosso esforço em sintetizar aqui, por imagens e palavras, o que Fortaleza pode lhe oferecer para o seu bem-estar nesta viagem. Faça a experiência de ser conduzido pela brisa de uma cidade que se transformará, com você, na capital nordestina da comunicação. Venha para Fortaleza, a capital do Ceará.

A propósito desse termo, vale ressaltar a feliz influência dos povos indígenas na formação da nossa terra, da nossa gente. “Ciará” ou “Siará” – do Tupi – pode ser traduzido por canto da jandaia (espécie de ave-símbolo cearense); etimologia já adotada por José de Alencar, na obra Iracema.

Passeando por nossa História

Antes mesmo de sua formação como vila, em 1726, e elevação à cidade, em 1823, Fortaleza foi cenário de resistência indígena e conflitos entre exploradores/invasores holandeses e portugueses, que culminou com a conquista portuguesa do forte holandês de Schoonemborch, retomando a colonização do lugar e alterando o nome desse forte para Fortaleza de Nossa Senhora de Assunção, em 1654. No início do século XIX, historiadores indicam que numa de suas celas foi presa a heroína republicana Bárbara de Alencar (avó de José de Alencar), por motivos políticos. Atualmente, nesse espaço funciona a 10ª Região Militar, no centro da cidade.

A partir de 1860, Fortaleza presencia uma certa modernização e movimentação financeira com a exportação do algodão através do porto da cidade (atual Ponte Metálica), estimulando o investimento na infraestrutura, como equipamentos e serviços urbanos (construção de vias, hospitais, escolas, meios de comunicação e transporte e mercado público, etc.). A Belle Époque francesa, na segunda metade do século XIX, deu seus ares “civilizados” à elite fortalezense, com novos conceitos arquitetônicos e urbanísticos, “agito” social no Passeio Público e encontro de intelectuais nos cafés da Praça do Ferreira. Destaque desse período foi o surgimento da Padaria Espiritual, uma sociedade literária e irreverente formada por escritores e demais intelectuais que discutiam filosofia, arte, literatura, política e ciência, enquanto faziam “O Pão” (jornal produzido pelo grupo).

Dentre os muitos movimentos sociais do século XIX, destacamos o pioneirismo do Movimento Abolicionista Cearense, por meio do fato histórico dos jangadeiros do porto de Fortaleza, sob a liderança do jangadeiro e abolicionista Dragão do Mar (Francisco José do Nascimento, ou Chico da Matilde), que não queriam transportar para os navios negreiros os escravos vendidos. Hoje, na praia de Iracema, o maior equipamento artístico de Fortaleza tem seu nome como uma homenagem, uma lembrança: Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, contabilizando mais de 1,5 milhão de visitantes ao ano.

Com a expansão comercial e industrial da cidade, no início do século XX, Fortaleza cresce e passa a ser a capital do Estado do Ceará, em 1926. O centro da cidade se configura mais como zona comercial, enquanto novos “bairros nobres” vão sendo ocupados, como as regiões da Aldeota, da Água Fria e das Praias. Ao longo desse século, Fortaleza vai se firmando como um grande centro urbano brasileiro, atraindo investidores, turistas, novos moradores, sem perder de vista o foco na luta por melhores condições da qualidade de vida, em meio às crises inerentes aos nossos dias. Nosso maior valor é, sem dúvida, nossa gente resistente, forte e hospitaleira, com o humor e criatividade.

 

Turistando na Terra da Luz

Com 34 quilômetros de litoral, Fortaleza nos presenteia com belíssimas praias em suas mais variadas manifestações. À beira mar, somos pescadores, músicos, banhistas, pensadores, turistas, esportistas, amantes, negociantes, espiritualistas e comunicadores compartilhando a vida numa onda. Em sua maioria, observamos uma balneabilidade favorável, excelentes equipamentos de entretenimento, gastronomia, comércio e acesso facilitado.

 

Praia de Iracema
Durante o dia, vale a pena contemplar o por do sol na Ponte Metálica, caminhar pelo calçadão ou escolher um lugar na areia e no mar para relaxar. Durante o dia, reserve um tempinho para visitar o Estoril e conferir a programação da Caixa Cultural, do Sesc Senac Iracema e do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. À noite é uma região bem movimentada, com encontro de várias tribos. No entorno, há inúmeras opções de restaurantes, bares e baladas.

 

Praia do Náutico
O grande diferencial, além dos equipamentos de entretenimento e gastronomia, é a famosa Feirinha da Beira Mar, com exposição e comercialização de artesanato local no calçadão da praia. O movimento começa a aquecer a partir das 18h.

 

 

Praia do Mucuripe
Excelente lugar para aproveitar o por do sol, contemplar as velas do Mucuripe e desfrutar das delícias gastronômicas, à beira mar. Um dos melhores locais para isso é o Mercado dos Peixes, porque você compra produtos diretamente dos pescadores. Da praia, à tardinha, sai um passeio de veleiro que é uma maravilha! Bom para apreciar a cidade por um outro ângulo.

 

Praia do Futuro
Inúmeras barracas de praia com ótima estrutura que atendem a diferentes públicos, ao longo de toda essa orla. Para ganhar tempo, vale a pena pesquisar na web as que poderão mais lhe agradar, conforme sua preferência. Lá você curte de shows ao vivo do Forró à MPB; barracas super equipadas para atender bem do público infantil ao LGBT.

 

 

Praia das Dunas
Caso você queria aproveitar mais uns dias conosco, vale a pena experimentar outras praias fora de Fortaleza. Um bate-volta bem legal é um passeio às praias de Aquiraz. Merece destaque o Parque Aquático Beach Park.

 

 

Litoral Leste
No caminho para outras praias do Litoral Leste, como Morro Branco e Canoa Quebrada, recomendamos demais um pit-stop no Centro das Tapioqueiras, logo na saída de Fortaleza, para provar da nossa comida regional.

 

Litoral Oeste
Outro bate-volta interessante é o passeio pelas dunas da praia do Cumbuco, no município de Caucaia (região metropolitana), com acesso passando sobre a ponte do Rio Ceará, considerado Marco Zero de Fortaleza.

 

Espaços Culturais
Já que conhecer uma cidade é conhecer sua cultura, se possível, visite alguns dos nossos museus, teatros e galerias de arte.

 

Museu do Ceará tem um acervo de mais de 13 mil peças que narram a nossa história a partir da paleontologia, arqueologia/antropologia indígena, mobiliário e personalidades. Funciona nas imediações da Praça dos Leões, no centro da cidade, com ênfase na história, sociedade e personalidades cearenses.

 

 

Museu da Fotografia recentemente inaugurado, com exposição de trabalhos de Cartier-Bresson, Steve McCurry, Evandro Teixeira e outros. Está localizado na Varjota, um dos bairros-polos gastronômicos de Fortaleza, ótimo para jantar.

 

 

Museu da Indústria através de máquinas e narrativas, você conhece parte da história industrial cearense. Está localizado no corredor histórico do centro da cidade, em frente ao Passeio Público, perto do Forte.

 

 

Teatro José de Alencar inaugurado em 1910, o prédio é tombado pelo Instituto do patrimônio Histórico e Artístico Nacional e tem arquitetura eclética, com jardim projetado por Burle Marx. O teatro está localizado no centro comercial da cidade, na praça José de Alencar.

 

 

Mercado Central
Espaço destinado à comercialização de produtos artesanais cearenses. São 5 andares com muitas ofertas, do coro à renda de bilro. Sem falar que os preços, em geral, já são um estímulo; mas vale pechinchar. Em termos de negócio, você vai perceber que a confecção cearense é uma febre. Isso se observa também no entorno do Mercado, com inúmeras lojas de confecção, no centro da cidade. O Mercado está bem ao lado da Catedral de Fortaleza e em frente ao Forte Nossa Senhora da Assunção.

 

Shoppings
O evento irá acontecer nas imediações de grandes shoppings da cidade, favorecendo suas escolhas para refeição, compras e entretenimento. O acesso é facilitado com boa oferta de transporte público e táxi.

Mesas Temáticas